Feeds:
Posts
Comentários

Archive for novembro \29\UTC 2011

por Ana Luisa F. Bezerra

No dia 25 de novembro, o professor de arqueologia da UFPel, Pedro Sanches, fez uma visita ao Casarão 8 com o objetivo de retirar alguns artefatos encontrados pelos funcionários que trabalham na obra. As peças que não fazem parte da construção são vestígios arqueológicos, como pedaços de louças, vidros e madeiras torneadas que testemunham o cotidiano das pessoas que viveram no casarão e no seu entorno.

O pedido para retirada das peças foi aprovado pelo diretor responsável pela Reserva Técnica que abriga o acervo do Casarão 8, na UFPel, e será inventariado e acervado. Antes disso, elas passarão por procedimentos de conservação nos laboratórios do curso de Conservação e Restauro e, no futuro, retornarão ao casarão como peças das exposições de longa e curta duração do Museu Arqueológico, que será ali implantado.

Além de professor de arqueologia nos cursos de Museologia e Conservação e Restauro, Pedro Sanches preside a comissão para implantação do Museu de Antropologia e Arqueologia de Pelotas nas dependências do Casarão 8.

Ana Luisa F. Bezerra é arquiteta e desenvolve o projeto de documentação da obra de restauração da Casa Nº 8 em Pelotas para o Iphan-RS.

Anúncios

Read Full Post »

Prancha de colorística do projeto de autoria de Simone Neutzling. Foto: Ana Luisa F Bezerra

por Ana Luisa F. Bezerra

Durante a palestra de quarta-feira (23), realizada na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFPel, a arquiteta Simone Neutzling apresentou ao público alguns de seus trabalhos relacionados ao patrimônio histórico e arquitetônico das cidades de Pelotas, Jaguarão e Bagé e falou para os alunos sobre sua trajetória profissional.

Dentre os pontos levantados, a arquiteta ressaltou que um projeto bem elaborado é instrumento fundamental para a realização de uma obra de qualidade. E assim é considerado pelo IPHAN, o projeto de restauração do Casarão 8.

E o que é um bom projeto? Segundo a arquiteta, um projeto deve, acima de tudo, comunicar. O projetista deve ter em mente, antes de iniciar, a quem será direcionado o projeto de restauração, a fim de levantar quais informações deve contemplar para restaurar aquela fachada, aquela pintura ou aquele ornato.

Ana Luisa F. Bezerra é arquiteta e desenvolve o projeto de documentação da obra de restauração da Casa Nº 8 em Pelotas para o Iphan-RS.

Read Full Post »

O projeto de restauração do Casarão 8 é o tema da palestra que ocorre nesta quarta-feira (23), às 19h, no auditório da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFPel.

A arquiteta Simone Neuztling, autora do projeto, falará sobre a importância da elaboração do projeto para a execução de obras de restauração.

Read Full Post »

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Iphan/Monumenta/UNESCO realiza, desde setembro de 2011, o registro fotográfico e textual da obra de restauração do Casarão 8. O projeto, que tem somente quatro meses de duração, está sendo desenvolvido pela arquiteta Ana Luisa Furquim Bezerra, selecionada entre outros candidatos, pelo Edital federal N° 010/2011.

Entre os motivos que levaram a Superintendência do Iphan no Rio Grande do Sul a tomar a iniciativa para realização deste registro está, além da riqueza das técnicas decorativas empregadas na construção do Casarão8, a qualidade na execução dos serviços de restauração. O corpo técnico envolvido na obra foi qualificado em 2007-2008, em um curso sob a forma de canteiro-escola realizado na cidade, pelo Instituto Ítalo-Latino Americano (IILA), em colaboração com o Iphan e em parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense de Pelotas (IFSUL). Desde então a equipe vem atuando na cidade e arredores, executando trabalhos de notável qualidade, como na vizinha Casa 6 e no Teatro Esperança, em Jaguarão, entre outras obras de propriedade privada.

Segundo a arquiteta, o principal objetivo deste trabalho é que o “saber fazer” dos artífices – os procedimentos, as técnicas e materiais de restauração empregados – constitua registro para as próximas gerações. Ainda, o fato dos registros serem realizados diariamente, a campo, proporciona o envolvimento dos próprios artífices e demais funcionários da obra com o registro, o que facilita e enriquece o trabalho.

Dentre os produtos finais a serem entregues para o Iphan estão previstos quatro relatórios, contendo fotos dos processos de restauração acompanhadas pela descrição dos serviços, porém algumas informações estão sendo acrescentadas ao texto com o intuito de introduzir o leitor ao contexto do Casarão 8. Entre elas está um glossário com a terminologia das técnicas e materiais utilizados na obra, assim como dos elementos decorativos das fachadas.

Blog

Para a arquiteta, o trabalho tende a ser o início de projetos que contemplem a produção de mídias – como é o caso do blog – pelas quais a sociedade pelotense possa acessar os serviços que estão sendo realizados na restauração do Casarão 8, assim como informações sobre a sua história, ao mesmo tempo em que se apoderam deste valioso patrimônio.

Read Full Post »

A UFPel firmou no dia 11 de agosto de 2010, no Núcleo de Assessoramento Jurídico da Advocacia-Geral da União (NAJ/AGU), em Porto Alegre, compromisso definitivo em restaurar o Casarão 8, através do lançamento do edital de licitação. Com esta medida a Universidade pretende fortalecer a memória local e a diversidade cultural e recolocar o Casarão 8 na vida cultural da cidade.

O restauro é necessário para a preservação deste importante patrimônio cultural e a adequação das instalações ao novo uso. Em 2009, a Universidade deu início ao restauro emergencial do Casarão com o intuito de conter o processo de degradação que a obra sofria em função da ação do tempo, da falta de manutenção e de cuidados adequados. Nesta etapa, foram feitos reforços na estrutura, recuperação de esquadrias, recuperação da instalação elétrica entre outras medidas emergenciais.

O projeto de restauro definitivo mantém todas as características originais do prédio e foi aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional – Iphan, após longo período de análise e adequação do projeto às normas técnicas. Considerando o interesse público e científico, o Casarão sediará o Museu do Doce e o Museu da Antropologia e Arqueologia, além de uma sala de cinema, auditório, salas de exposição permanente, uma sala de exposição temporária, espaço para oficinas e ações educativas, um laboratório de conservação, setor administrativo, área de acolhimento e convivência e um local destinado para estudos e pesquisas.

Museu de Antropologia e Arqueologia

De acordo com o presidente da Comissão de Implantação do Museu de Antropologia e Arqueologia, Pedro Luis Machado Sanches, é importante que parte do espaço físico seja destinada às exposições temporárias e outras atividades que promovam a integração da comunidade. “Enquanto espaço de localização privilegiada, o museu deve servir de aglutinador de interesses diversos de diferentes áreas de conhecimento presentes na universidade e também o espaço de expressão de grupos sociais diversos”, disse o presidente.

Read Full Post »

Conter o processo de degradação do tradicional casarão localizado na praça Coronel Pedro Osório, esquina Barão de Butuy, foi o primeiro passo para a recuperação total do imóvel, adquirido pela Universidade Federal de Pelotas(UFPel) em dezembro de 2006 e considerado um dos cartões postais de Pelotas.

O restauro emergencial contemplou intervenções na estrutura do telhado, com a recomposição e reforço estrutural da cimalha, substituição de ripamento e da cama de telhas e confecção de novos rufos. Além disso, foram feitos outros reparos necessário como a recuperação das esquadrias, substituição e reforço do barroteamento do piso, recuperação da parte elétrica, revisão do sistema de drenagem do porão, imunização contra insetos e execução do fechamento provisório.

Read Full Post »


O reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), César Borges, recebeu no dia 7 de dezembro de 2006 do secretário executivo do Ministério da Educação (MEC), Jairo Jorge, a confirmação de compra do Casarão 8 juntamente com o antigo prédio do frigorífico Anglo que já sedia a reitoria e vários cursos da Universidade.

Na época, a instituição possuía 7,5 mil alunos de graduação e 1,5 mil de pós-graduação em 47 cursos. Com a ampliação, a UFPel passou a atender 15 mil alunos em mais de 90 cursos de graduação presenciais e 2 mil alunos nos programas de pós-graduação.

O Casarão 8 está em fase de restauro para a preservação deste importante patrimônio cultural pelotense e a adequação das instalações ao novo uso. O projeto de restauro definitivo mantém todas as características originais do prédio e foi aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional – Iphan, após longo período de análise.

Considerando o interesso público e científico, o Casarão sediará o Museu do Doce e o Museu da Antropologia e Arqueologia, além de uma sala de cinema, auditório, salas de exposição permanente, uma sala de exposição temporária, espaço para oficinas e ações educativas, um laboratório de conservação, setor administrativo, área de acolhimento e convivência e um local destinado para estudos e pesquisas.

Read Full Post »

Older Posts »